quinta-feira, 29 de abril de 2010

Defesa do Património


Largo do Espírito Santo – pormenor do prédio derrocado – Foto de José Cartaxo - Maio de 2009.

O editorial do Boletim da LINCEMOZ do 1º trimestre de 2010, subscrito pelo Presidente da Direcção Rodrigo André, aborda o assunto em epígrafe.
Começa por constatar o abandono de parte do nosso património arquitectónico e entende e muito bem que são situações que urge eliminar.
E o que propõe? “…disponiblizar-se para, em conjunto com outras Associações, Entidades públicas ou privadas, estabelecer parcerias no intuito de abordar esta temática de uma forma séria visando a maior eliminação possível das situações atrás citadas”.
Para tal, Rodrigo André diz que: “Além de alguns contactos que vamos efectuar, estamos obviamente abertos à participação de todos os que pensam como nós e estejam dispostos a ajudar a encontrar soluções que evitando maior degradação do nosso património, proporcionarão uma beleza ainda maior da nossa terra.”
Para além da boa vontade de Rodrigo André, temo que a tomada desta iniciativa possa ser o princípio de coisa nenhuma.
Com efeito, apesar da respeitabilidade que me merece a LINCEMOZ como Liga dos Naturais e Amigos do Concelho de Estremoz, dado o seu carácter generalista, não acredito que ela seja capaz de levar a bom porto, pelos meios que indica, a Defesa do Património do nosso Concelho.
A Defesa do Património para além de ser uma competência de certos serviços do Estado e das Autarquias é feita desde sempre por Associações de Defesa do Património local, que congregam cidadãos que nelas participam cívica e voluntariamente.
Em Évora, desde 1919 que existe e está activo o Grupo Pro-Évora, uma Associação de Defesa do Património, cuja acção foi decisiva numa época em que se assistia à mutilação das características históricas mais relevantes daquela urbe. A Câmara Municipal de Évora desenvolveu, de resto, um trabalho notável, pelo que a classificação do Centro Histórico de Évora como Património Cultural da Humanidade pela UNESCO, em Novembro de 1986, foi como dizem os seus responsáveis “o corolário de um longo caminho tendente a salvaguardar o conjunto edificado da cidade intramuros”.
Em Estremoz, se a memória não me atraiçoa, desde os anos sessenta do século passado, que existe o “Grupo dos Amigos de Estremoz”, uma Associação de Defesa do Património Natural e Cultural, cujos Estatutos nos dizem no seu ARTIGO 2°:
“O Grupo de Amigos de Estremoz propõe-se promover e fomentar o progresso moral, artístico e material desta cidade e seu concelho, utilizando para tal efeito todos os meios que se lhe afigurarem pertinentes a tais fins:
a) promover a defesa e conservação do meio ambiente nos aspectos paisagísticos, monumentais, artísticos e outros que mais o caracterizam e individualizam;
b) promover e restaurar costumes, tradições, festas, feiras e romarias com características locais e regionais;
c) promover a valorização urbanística da cidade e seu termo no respeito pelos valores herdados ao longo de séculos;
………
f) auxiliar os organismos oficiais em todas as iniciativas que possam contribuir para o engrandecimento de Estremoz, fazendo-o sempre com o mais rasgado espírito de cooperação;”
Tenho fortes indícios de que actualmente o Grupo de Amigos de Estremoz está inactivo, como aconteceu de resto a outras agremiações da nossa terra, fruto de vicissitudes diversas.
Tenho também plena convicção de que é a uma Associação de Defesa do Património, como associação cultural especializada que compete a Defesa do Património. Para isso tem que ter credibilidade e respeitabilidade pela massa crítica dos seus membros e dirigentes, a qual para além do cidadão comum mobilizado por causas cívicas, deve incluir “gente que percebe da poda”, isto é de Património. Isto é, cidadãos e cidadãs que percebam de Legislação, de Arquitectura, de Engenharia, de História, de Etnologia, de Arte, de Ambiente, de Sociologia e de muitas outras valências. São eles que poderão fazer a diferença, que darão, de certo, um contributo válido, numa altura e num processo, em que são insuficientes os palpites e as emoções, quando se precisam argumentos com a força da razão, para repor as coisas afastados do seu devido curso.
De certo, que o cimento, algum poder, alguns poluidores e outros prevaricadores, não gostarão que se vá por aí. Mas esse é o papel de uma Associação de Defesa do Património, o de despertar, mobilizar e unificar consciências para que na diversidade democrática das nossas consciências, não continuemos na paz podre do deixa andar, da insensibilidade perante aquilo que alguns nos querem fazer acreditar como sendo inevitável.
Não existem fatalidades quando estamos armados com mais valias como a consciência cívica, a mobilização, a informação, o conhecimento e a determinação. Então, será possível a Defesa do Património. É um caminho que não será fácil, que terá os seus espinhos, mas por isso terá mais valor cada uma das pequenas conquistas que formos conseguindo, até termos credibilidade e respeitabilidade. Essa a minha proposta num sentido dum debate público sobre o tema em epígrafe. Essa uma proposta alternativa à metodologia defendida pelo Rodrigo André.
Confronto de ideias é o que se precisa e se me permitem uma opinião, eu proclamo:

- NÓS QUEREMOS UMA ASSSOCIAÇÃO DE DEFESA DO PATRIMÓNIO JÁ!