quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Gíria popular das palavras


A Liberdade conduzindo o Povo (1830).
Eugène Delacroix (1798-1863)
Óleo sobre tela (260 x 325 cm)
Museu do Louvre, Paris.

A necessidade de comunicação do Homem, enquanto ser sociável, conduziu à criação da linguagem, que tanto na forma falada como na forma escrita, utiliza palavras na representação do pensamento. O termo “palavra” regista presença significativa na gíria popular, na qual frases idiomáticas utilizam aquele termo. É vasta a gíria popular das palavras:
- A arte das palavras (A retórica).
- Arrastar as palavras (Falar pausadamente).
- Beber as palavras de alguém (Escutar atentamente o que uma pessoa diz).
- Botar palavra (Discursar).
- Cassar a palavra (Proibir de falar).
- Com meias palavras (Em termos imprecisos).
- Com palavrinhas mansas (Falando de modo brando e fingido).
- Comer as palavras (Pronunciar as palavras incompletamente).
- Contar as palavras de outrem (Ouvir com atenção o que outrem diz).
- Contar as próprias palavras (Pensar bem no que se diz. Falar pausadamente).
- Cortar a palavra a alguém (Interromper uma pessoa quando está a falar).
- Cumprir a palavra (Fazer o que foi prometido).
- Dar a palavra a alguém (Conceder o uso da palavra a uma pessoa).
- Dar a palavra de honra (Prometer solenemente).
- Dar a sua palavra (Prometer solenemente).
- Dar duas palavrinhas a alguém (Referir a uma pessoa um caso pen­dente para que lhe seja dado despacho favorável).
- Dar palavras em lugar de justiça (Defender actos de injustiça ou de violência, sem razão, mas com palavreado)
- Dar uma/duas palavras a alguém (Dizer alguma coisa particularmente a uma pessoa).
- De palavra (Diz-se de pessoa fiel aos seus compromissos).
- De palavra em palavra (De uma razão para outra). 
- De pouca palavras (Diz- se de pessoa concisa ou retraída).
- Debaixo de minha palavra (Sob palavra de honra. Promessa verbal solene.).
- Debaixo de palavra (Sob palavra. Por meio de promessa verbal).
- Dirigir a palavra a alguém (Falar a uma pessoa).
- Dizer duas palavras (Pronunciar um pequeno discurso).
- Dizer o recado pelas mesmas palavras (Repetir textualmente o que outrem disse). 
- Dizer palavrões (Usar linguagem obs­cena).
- Dizer quatro palavras a uma pessoa (Falar com franqueza a outrem).
- Duas palavrinhas (Conversa breve).
- Em duas palavras (Sucintamente).
- Em poucas palavras (Resumidamente).
- Empenhar a sua palavra (Assumir um compromisso solene).
- Engolir as próprias palavras (Retirar as palavras pronunciadas).
- Estar suspenso das palavras (Escutar embevecido as palavras de alguém).
- Falta de palavra (Violação de promessa feita).
- Faltar à sua palavra (Não cumprir qualquer promessa feita).
- Fazer uso da palavra (Falar).
- Gastar palavras (Falar ou escrever, sem que haja consequências do que se diz).
- Homem de palavra (Aquele que cumpre sempre o que diz. Aquele que não costuma mentir. Aquele que não renega afirmações anteriores).
- Isso são palavras (Expressão que se aplica a quem diz o contrário do que sente ou o que não sente ou a quem não pode provar o que diz).
- Jogar com as palavras (Dar às palavras o significado que se deseja).
- Levantar a sua palavra (Não cumprir a palavra dada).
- Mais palavra menos palavra (Pouco mais ou menos).
- Medir as palavras (Ponderar o que se diz, escolhendo cuidadosamente as palavras).
- Molhar a palavra (Tomar uma pequena quan­tidade de bebida alcoólica).
- Não dar palavra (Conservar- se calado).
- Não dizer palavra (Não dar palavra).
- Não estudar palavra (Não estudar absolutamente nada).
- Não falar palavra (Estar calado).
- Não perceber uma palavra de alguma coisa (Ignorar).
- Não ter senão uma palavra (Manter o que anteriormente se ajustou).
- Nem uma palavra (Silêncio completo).
- Numa palavra (Em suma).
- Palavra a palavra (Pausadamente. Lentamente.)
- Palavra por palavra (Exactamente. Tim-tim por tim-tim).
- Palavra puxa palavra (As palavras proferidas por um interlocutor provocam resposta do outro).
- Palavra puxa palavra (Discussão em que um comentário ou argumento, suscita réplica imediata).
- Palavras não eram ditas (Expressão usada para exprimir que alguma coisa se passou na sequência de determinada frase ter sido proferida por alguém ou mesmo antes da sua conclusão).
- Passar a palavra (Transmitir para pessoa próxima, o que outrem disse. Divulgar).
- Pedir a palavra (Pedir para falar, para ser ouvido).
- Pela palavra (Literalmente).
- Pesar as palavras (Medir as palavras).
- Pessoa de poucas palavras (Pessoa que fala pouco. Pessoa concisa. Pessoa reservada).
- Por meias palavras (Maneira de abordar um assunto de forma indirecta).
- Retirar a palavra a alguém (Usar da autoridade inerente às suas funções para impedir que alguém prossiga o seu discurso).
- Retomar a palavra (Recomeçar a falar após interrupção).
- Santas palavras (Exclamação proferida por quem ouve aquilo que desejava ouvir).
- Sem dizer palavra (Guardando silêncio).
- Sem meias palavras (Em termos que não deixam quaisquer dúvidas).
- Sem palavra (Que não cumpre aquilo que promete e quem não se pode confiar.
- Ser a última palavra (Ser a decisão definitiva, ser a con­cessão final, ser o que há de mais moderno).
- Ser a última palavra em (Ser o que existe de mais avançado em).
- Sob palavra (Por meio de promessa verbal).
- Ter a palavra (Caber a alguém o direito de falar).
- Ter a palavra fácil (Exprimir-se com facilidade).
- Ter dom de palavra (Falar bem. Ser eloquente. Ter fluência verbal).
- Ter más palavras com alguém (Falar a outrem em termos ofensivos).
- Ter palavra (Diz-se de pessoa que honra os seus compromissos).
- Ter uma palavrinha com alguém (Conversar brevemente com uma pessoa).
- Tirar a palavra a alguém (Obrigar uma pessoa a calar-se).
- Tirar a(s) palavra(s) da boca de alguém (Antecipar se à fala de outra pessoa, dizendo o que ela pretendia dizer).
- Tomar a palavra (Começar a falar).
- Troca de palavras (Discussão em termos enérgicos).
- Trocar palavras com alguém (Ter uma discussão rápida com alguém em ter­mos rudes).
- Usar da palavra (Discursar em público).
- Voltar com a palavra atrás (Desdizer-se).

BIBLIOGRAFIA
- BESSA, Alberto. A Gíria Portugueza. Gomes de Carvalho-Editor. Lisboa, 1901.
- CALDAS AULETE, Francisco Júlio. Diccionario Contemporaneo da Lingua Portugueza (1ª ed.). Parceria António Maria Pereira. Lisboa, 1881.
- CALDAS AULETE, Francisco Júlio. Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa (5ª ed.). Editora Delta. Rio de Janeiro, 1987.
- DICIONÁRIO PRIBERAM DA LÍNGUA PORTUGUESA [em linha], 2008-2013, http://www.priberam.pt/dlpo/palavra  [consultado em 24-08-2016].
- FIGUEIREDO, Cândido de. Novo Dicionário de Língua Portuguesa (1ª ed.).Livraria Editora Tavares Cardoso e Irmão. Lisboa, 1899.
- GRANDE ENCICLOPÉDIA PORTUGUESA E BRASILEIRA. Vol. 20. Editorial Enciclopédia, Limitada. Lisboa, s/d.
- HOUAISS, António e VILLAR, Mauro de Salles. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Círculo de Leitores, Lisboa, 2002.
- LAPA. Albino. Dicionário de Calão. Edição do Autor. Lisboa, 1959.
- MACHADO, José Pedro. Grande Dicionário da Língua Portuguesa). Publicações Alfa. Lisboa, 1991.
- MACHADO, José Pedro. Grande Enciclopédia da língua Portuguesa. Círculo de Leitores, Lisboa, 1997.
- NEVES, Orlando. Dicionário de Expressões Correntes (2º ed.). Editorial Notícias. Lisboa, 2000.
- PRAÇA, Afonso. Novo Dicionário de Calão. Editorial Notícias. Lisboa, 2001.
- SANTOS, António Nogueira. Novos dicionários de expressões idiomáticas. Edições João Sá da Costa. Lisboa, 1990.
- SIMÕES, Guilherme Augusto. Dicionário de Expressões Populares Portuguesas. Publicações Dom Quixote. Lisboa, 1993.
Hernâni Matos