quinta-feira, 14 de junho de 2012

Santo António no Azulejo Português


SANTO ANTÓNIO (Último quartel do séc. XVI).
 Painel de azulejos policromo (53x 5 cm) com 5 x 4 azulejos.
Arquidiocese de Évora.
  
Santo António já foi objecto de três textos editados por mim neste blogue:
Todavia há sempre uma abordagem diferente que pode ser feita, o que aconteceu connosco quando nos embrenhámos no âmbito dos azulejos portugueses. Essa a razão do presente texto:
 - Santo António no Azulejo Português
A iconografia azulejar antonina impressiona pela sua vastidão. Esta realidade está em consonância com o com aquilo que dissemos no primeiro daqueles textos, já que “Santo António além de Padroeiro de Portugal e de Pádua, é considerado Padroeiro dos pobres, dos oprimidos, dos combatentes, dos doentes, dos náufragos, dos animais, dos noivos, dos casais, das casas e das famílias, das pessoas que desejam encontrar objectos perdidos, bem como aquele que livra os homens das tentações demoníacas.”, bem como “A circunstância de o dia festivo de Santo António (13 de Junho) coincidir com as festas do Solstício de Verão, faz com que seja celebrado em Portugal como um dos santos mais populares, com presença honrosa e permanente na literatura, na pintura, na escultura, na música, na toponímia, na filatelia, no folclore, na arte popular, especialmente na barrística, assim como na literatura oral.”.
Nos painéis azulejares portugueses a temática antonina desdobra-se por diversos tópicos:
 - Santo António e o Menino Jesus
 - Santo António e outros Santos
 - Milagres de Santo António
Lembramos que, de acordo com a tradição cristã, os milagres mais divulgados de Santo António são:
- 0 livro roubado
- A ajuda a Bispo a recuperar papéis perdidos
- A aparição da Virgem e o Anjo afastando o Demónio
- A bilocação
- A concessão da revelação oratória
- A criada que caminha sob forte chuva sem molhar as roupas
- A cura de um louco
- A cura de um menino paralítico
- A mula adorando a Eucaristia
- A recuperação dos cabelos arrancados a uma mulher
- A reconstitução de um pé decepado
- A ressureição de um mancebo como prova da inocência da pai de Santo António 
- A salvação de um homem da morte por esmagamento
- O aparecimento do Menino Jesus
- O casamento da jovem
- O controle sobre o tempo
- O Menino que foi salvo pela fé em Santo António
- O prato envenenado
- O reencontro do anel desaparecido ao Bispo de Córdoba
- O Sermão aos peixes
- Os Pássaros e a Plantação
A amostragem de imagens de paineis de azulejos de temática antonina ainda que ampla, não foi exaustiva, de modo que não se conseguiram cobrir todos os milagres, o que sereserva para uma segunda edição deste texto.
Hernâni Matos

SANTO ANTÓNIO PREGANDO AOS PEIXES (1ª metade do séc. XVII).
Painel de azulejos (6 x 5). Fabrico de Lisboa.
Proveniente das Escadinhas do Jogo da Pela, Lisboa.
 Museu Antoniano, Lisboa. 
SANTO ANTÓNIO COM O MENINO JESUS (1651 - 1675).
Painel de 16 azulejos (56 x 83,7 cm).
Fabrico de Lisboa.
 Museu de Évora.  
SANTO ANTÓNIO COM O MENINO (séc. XVII).
Painel de azulejos da Igreja do Recolhimento de Santo António,
Ilha de Santa Maria, Açores. 
SANTO ANTÓNIO E O MILAGRE DA RECONSTITUIÇÃO DE UM PÉ DECEPADO
 (séc. XVII)
 Painel de azulejos da Igreja de Santo António, Recife – Brasil. 
SANTO ANTÓNIO COM O MENINO E NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO
(Meados do sé. XVIII).
Painel de azulejos (4x3). Fabrico de Lisboa.
 Proveniente das Rua de Alcântara, 6, Lisboa.
Museu da Cidade, Lisboa. 
SANTO ANTÓNIO PREGANDO AOS PEIXES (c. 1725 - 1745).
Painel de azulejos (111x80 cm).
Museu Nacional do Azulejo, Lisboa. 
SANTO ANTÓNIO E O MILAGRE DA RECONSTITUIÇÃO DE UM PÉ DECEPADO
(1720-1730).
Painel de azulejos de Oliveira Bernardes.
Igreja do Convento de São Francisco de Guimarães.
SANTO ANTÓNIO COM O MENINO, SÃO FRANCISCO DE BORJA E
SÃO FRANCISCO DE PAULA (c. 1760-1775).
Painel de azulejos (9x6 - incompleto).
Fabrico de Lisboa. Proveniência desconhecida.
 Museu da Cidade, Lisboa. 
NOSSA SENHORA DAS DORES, SANTA RITA E SANTO ANTÓNIO COM O MENINO
(c. 1775-1780).
Painel de azulejos (7 x 6 - incompleto).
Autoria de Francisco Jorge da Costa. Fabrico de Lisboa.
 Proveniente da Rua Bica do Marquês, 19, Lisboa.
 Museu da Cidade, Lisboa.  
 REGISTO, SENHOR DOS NAVEGANTES, SÃO MARÇAL E SANTO ANTÓNIO COM O MENINO
 (c. 1760-1770).
Painel de azulejos (11x7 azulejos).
 Fabrico de Lisboa. Proveniente da Rua de S. Ciro, 20-22, Lisboa.
Museu da Cidade, Lisboa.
 SANTO ANTÓNIO (c. 1770-1785).
 Painel de azulejos (126 x 65 cm). Fabrico de Lisboa.
Colecção Bacalhôa - Vinhos de Portugal, Vila Nogueira de Azeitão.
 SANTO ANTÓNIO (c. 1750 - 1775).
Painel de azulejos (142 x 142 cm).
Fabrico de Lisboa.
 Museu Nacional do Azulejo, Lisboa.
RESSURREIÇÃO DO MANCEBO COMO PROVA DA INOCÊNCIA
DO PAI DE SANTO ANTÓNIO (Terceiro quartel do séc. XVIII).
 Painel de azulejos (224x182 cm) com 13x16 azulejos.
Arquidiocese de Évora. 
SANTO ANTÓNIO CONCEDENDO A REVELAÇÃO ORATÓRIA.
(Terceiro quartel do séc. XVIII).
 Painel de azulejos (224x140 cm) com 10x16 azulejos.
Arquidiocese de Évora. 
MILAGRE DA MULA ADORANDO A EUCARISTIA.
(Terceiro quartel do séc. XVIII).
Painel de azulejos (224x182 cm) com 13x16 azulejos.
 Arquidiocese de Évora. 
APARIÇÃO DA VIRGEM E O ANJO AFUGENTANDO O DEMÓNIO
 (Terceiro quartel do séc. XVIII).
Painel de azulejos (220,9x131 cm) com 10x16 azulejos.
 Arquidiocese de Évora.
 NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO, SANTO ANTÓNIO E SÃO MARÇAL
 (c. 1775-1790).
 Painel de azulejos (99 x 269 cm). Fabrico de Lisboa.
 Colecção Solar, Lisboa.
SANTO ANTÓNIO COM O MENINO E SÃO MARÇAL (Finais do séc. XVIII).
Painel de azulejos (8 x 10 - incompleto).
 Autoria de Francisco de Paula e Oliveira.
Produzido na Real Fábrica de Louça, ao Rato – Lisboa.
Proveniente da Rua das Amoreiras, 44-48, Lisboa.
Museu da Cidade, Lisboa. 
NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO, SANTO ANTÓNIO E S. MARÇAL
 (séc. XVIII).
Painel de azulejos da Quinta de Sant’Ana,
 sita na Travessa de Santo André, Ameixoeira. 
SERMÃO DE SANTO ANTÓNIO AOS PEIXES (séc. XVIII).
Painel de azulejos da Igreja de Santo António dos Capuchos,
na freguesia de Oliveira do Castelo, em Guimarães.
  SANTO ANTÓNIO (séc. XVIII).
Painel de azulejos da Igreja de Santo António dos Capuchos,
 na freguesia de Oliveira do Castelo, em Guimarães.
SANTO ANTÓNIO (séc. XVIII).
 Painel de azulejos da Igreja de Santo António dos Capuchos,
na freguesia de Oliveira do Castelo, em Guimarães. 
SANTO ANTÓNIO PREGANDO AOS PEIXES (séc. XVIII).
Painel de azulejos da Igreja do Convento dos Capuchos, Lisboa.
 SANTO ANTÓNIO PREGANDO AOS PEIXES (séc. XVIII).
Painel de azulejos da Igreja do Convento dos Capuchos, Lisboa.
SERMÃO DE SANTO ANTÓNIO AOS PEIXES (séc. XVIII).
 Painel de azulejos da Sé de Aveiro.
SERMÃO DE SANTO ANTÓNIO AOS PEIXES (séc. XVIII).
Painel de azulejos da Capela Baptismal da Sé de Lisboa. 
 SERMÃO DE SANTO ANTÓNIO AOS PEIXES (séc. XVIII).
Painel de azulejos da Igreja do Convento de Santo António da Lourinhã.
SANTO ANTÓNIO A RESSUSCITAR UM MORTO DIANTE DA SÉ DE LISBOA (séc. XVIII).
Painel de azulejos da Igreja de Nossa Senhora da Vitória, ilha de Santa Maria, Açores. 
SERMÃO DE SANTO ANTÓNIO AOS PEIXES (séc. XVIII).
 Painel de azulejos da Igreja de Nossa Senhora da Vitória,
ilha de Santa Maria, Açores. 
SANTO ANTÓNIO E O MILAGRE DO PRATO ENVENENADO (séc. XVIII).
Capela de Santo António do Solar dos Zagalos, Sobreda da Caparica. 
SANTO ANTÓNIO E O MILAGRE DA BILHA QUEBRADA.
CAPELA de Santo António do Solar dos Zagalos, Sobreda da Caparica. 
NOSSA SENHORA DAS SETE DORES; SÃO MARÇAL,
SANTO ANTÓNIO COM O MENINO E ALMAS DO PURGATÓRIO (1800).
Painel de azulejos (126 x 98 cm).
Produzido na Real Fábrica de Louça, ao Rato, Lisboa.
Museu Nacional do Azulejo, Lisboa.  
 NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO E SANTO ANTÓNIO (1821).
 Painel de azulejos da Rua da Palmeira, Mercês.
SANTO ANTÓNIO E O MILAGRE DA BILHA QUEBRADA (1949).
 Painel de azulejos da fonte do largo da vila de Cavez,
Cabeceiras de Basto. 
SANTO ANTÓNIO E O MENINO (1992).
 Convento Santo António da Lourinhã. 
SANTO ANTÓNIO (séc. XX).
Painel de azulejos (28,4 x 4 cm).
 Autoria de Graça Vaz.
Produzido na Fábrica de Cerâmica
Viúva Lamego, Lisboa.
Museu Nacional do Azulejo, Lisboa.

SANTO ANTÓNIO JUNTO À SÉ (1995-96).
Painel de azulejos de Mestre Lima de Freitas (1927-1988).
Fábrica de Cerâmica de Constância.
Estação da CP do Rossio, Lisboa.

14 comentários:

  1. Muito interessante e lindo, todo este conjunto de painéis de azulejos dedicados ao Santo António. O professor surpreende sempre, com os seus largos conhecimentos temáticos. Mais uma vez agradeço a sua disponibilidade em divulgar a cultura, uma forma de aprender sempre mais um pouco.

    Rosa Casquinha

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Rosa:

      Obrigado pelo seu estimulante comentário.
      Procurarei sempre não desmerecer.
      Um abraço para si:

      Hernâni

      Eliminar
  2. Caro Sr. Hernâni Matos,

    Excelente publicação esta. Dou-lhe os parabéns pela magnífica recolha de imagens.
    Surpreendeu-me agradavelmente, por variadíssimas razões.

    O Santo da minha devoção é o Sto. António, ou não fosse eu alfacinha... :)

    Por outro lado, fiz há poucos meses um Curso de História do Azulejo em Portugal, ministrado pelo Prof. José Meco, e organizado pela minha Associação, a Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras, curso que me sensibilizou mais ainda para o estudo e necessidade de protecção e restauro da nossa azulejaria.

    Sou apaixonado por esta bela arte decorativa, de tão imensa expressão e beleza no nosso país.

    Cumprimentos
    J A Baptista

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro amigo:

      Muito obrigado pelo seu comentário. Eu também gosto de tudo o que se relaciona com Santo António, além de ter os azulejos na massa do sangue e de me chamar António.
      Gostei muito do blogue da sua Associação, com um excelente conteúdo e uma boa colecção de links, tendo-me tornado seguidor do blogue através do Google.
      Na secção de links do meu blogue, linkei para a sua associação sob a epígrafe Etnografia. Se for possível retribuiir com um link para o meu blogue, fico grato.
      Um abraço:

      Eliminar
  3. Surpreendente!, deveras interessante, não tinha ideia de que Stº António estivesse representado em tantos azulejos.
    Obrigado
    MC

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amigo Coelho:
      Obrigado pelo seu comentário.
      Mais haverá decerto, porque eu não saberei da missa a metade. Sempre que cavo, sai minhoca.
      Uum abraço para si, amigo.
      Volte sempre!

      Eliminar
  4. Nunca esperei de num e-mail que me surgiu como spam, viesse a descobrir nele mais um brilhante trabalho a juntar a outros de que o amigo Hernâni Matos é um óptimo revelador de artes, como as de pintura, através da azulejaria. Muito bom! Foi um prazer tomar conhecimento de tantos painéis com sermões aos peixes, por Santo António. Mais uma vez tenho que agradecer e reconhecer que o senhor é um autentico homem de letras e de grandes conhecimentos. Obrigado!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amigo Fonseca:
      Obrigado pelo seu comentário.
      Faz-se o que se pode e com gosto.
      Congratulo-me do meu amigo gostar de ler o que escrevo.
      Volte sempre. Esta casa é de todos.
      Um abraço para si.

      Eliminar
  5. Caríssimo Sr. Hernâni
    Sou também um apaixonado pela nossa Cultura popular e tradicional. Mais de 30 anos de atividade de recolhas e igualmente muitos trabalhos publicados. Tento, sempre que possível, acompanhar estas suas publicações. As minhas felicitações pelos seus magníficos conhecimentos que partilha connosco. BEM HAJA.
    Relativamente ao Santo António, bem português de nascença e italiano por morte, está entre nós a perder aquele fulgor e interesse que bem merece. É testemunho disso o cada menos usual a aplicação deste nome António como nome de batismo ou de registo civil. - É apenas um desabafo pois também sou António e vou estando atento aos novos nomes que se vão registando nos registos civis.
    As minhas cordiais saudações e muita força para continuar tão brilhante e necessário trabalho.
    António Messias A, Silva

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado pelo seu interesse em me ler. Espero continuar a merecer o interesse manifestado.
      Os meus cumprimentos.

      Eliminar
  6. Excelente colecção, parabéns. Muito exaustiva e abrangente.
    Na (remota) eventualidade de não conhecer, referencio-lhe o livrinho "Lisboa de Santo António", uma edição do ICEP (1996).
    Cumprimentos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado amigo pelo seu comentário, para além da sua excelente página azulejar.
      Tenho bibliografia sobre Santo António diversificada, mas essa não conhecia e vou adquiri-la ou António não seja eu.
      Um grande abraço para si.

      Eliminar
  7. Caro Professor, muito obrigado pelo seu excelente trabalho! Gostaria de perguntar-lhe se dispõe de imagens da azulejaria do cemitério de Setúbal. Muito obrigado e cumprimentos.
    José Abreu

    ResponderEliminar
  8. Caro José Abreu:
    Obrigado pelos eu comentário.
    Apenas conheço a azulejaria do mercado de Setúbal e alguma dispersa. Do cemitério, não.
    Os meus cumprimentos.

    ResponderEliminar