sexta-feira, 19 de Agosto de 2011

A origem das alheiras

                              

À  Manuela Mendes:                      

Por diligência de D. João III junto da cúria romana, o Tribunal do Santo Ofício da Inquisição, foi imposto em Portugal pela bula "Cum ad nihil mugis", de 23 de Maio de 1536 e só seria extinto em 1821.
A Inquisição foi singularmente activa em Lisboa, Coimbra e Évora, com poder religioso, político, social e cultural, que institucionalizou o espírito de intolerância, particularmente anti-judaico e organizou um autêntico genocídio cultural através da censura literária.
Quando o pesado braço da Inquisição iniciou a perseguição aos judeus portugueses, estes viram-se na necessidade de se converter ao cristianismo, adoptando os seus costumes, pelo menos na aparência.
Como a tradição judaica, recusava o consumo da carne de porco, em virtude de esta ser considerada "impura", os nossos judeus viram-se na contingência de inventar a alheira, enchido no qual a carne de porco era substituída por uma extensa gama de carnes, que incluía galinha, peru, pato, perdiz, coelho, vitela, perdiz, os quais eram envolvidos por uma massa de pão, que lhes conferia consistência.
A alheira é, hoje, um dos mais afamados ex-libris transmontanos. Lá diz o rifão: "A necessidade é mestra de engenho". Na verdade, as disposições regimentais do Tribunal do Santo Ofício, em contraposição com as leis e garantias do direito civil, permitiam o secretismo das testemunhas de acusação, a inviabilização da defesa do réu, a viciação do sistema de provas admissíveis e a validade da tortura, muitas vezes pelo fogo, na ratificação das confissões, ainda que estas fossem posteriormente desmentidas. Muitas vezes, as sentenças acarretavam a confiscação de bens e a morte pelo fogo.
Foi nesse contexto repressivo, que os nossos “marranos”, temerosos de perderem os bens e a vida, criaram a saborosa alheira. É caso para dizer:
- "Bem hajam, por isso!"
- "Honra e glória à criatividade da comunidade judaica portuguesa!"

BIBLIOGRAFIA
- DIVERSOS. Dicionário ilustrado da História de Portugal. Publicações Alfa, Lisboa, 1985.
- DIVERSOS. História da Arte em Portugal. Publicações Alfa, Lisboa, 1986.
- DIVERSOS. Marcos da Arte Portuguesa. Publicações Alfa, Lisboa, 1986
- SARAIVA, José Hermano. Imagens da História de Portugal. Publicações Alfa, Lisboa, s/d.

13 comentários:

  1. Eu ja conhecia a historia e gosto imenso de alheira :)

    ResponderEliminar
  2. Bem hajam mesmo porque são deliciosas as alheiras.
    Se bem que eu ache que o coelho não entra no fabrico da alheira por ser um animal não cahser.
    "
    A carne Casher é singular em todos os aspectos, desde o tipo de animais que são permitidos até a maneira como são abatidos e preparados para o consumo. Os alimentos à base de carne são cozidos, manuseados e ingeridos separadamente dos alimentos à base de laticínios. Além disso, é exigido um período de espera de seis horas após comer todos os tipos de carnes e aves antes que qualquer laticínio possa ser ingerido.

    Somente os animais que ruminam e possuem cascos fendidos (os dois sinais mencionados na Torá) são Casher. Vacas, carneiros e cabras servem como exemplos. Um animal que tenha apenas um dos dois sinais não é Casher. Uma vez que as leis da Torá são exatas, tendo sido projetadas pelo próprio Criador, com certeza há um motivo por que estes dois sinais foram escolhidos."
    E
    "Curiosamente, a Torá enumera apenas quatro animais que ruminam ou possuem os cascos fendidos, mas não atendem a ambos os requisitos: o porco, o coelho, o camelo e a lebre. Apesar do grande progresso no conhecimento científico e da exploração dos mais remotos recantos do mundo pelo homem, nenhuma outra criatura com apenas um destes sinais foi descoberta." in Beit Chabad

    ResponderEliminar
  3. Verdade que o Santo Oficio praticou verdadeira persegição aos judeus, eles inteligentes como eram, foram contornando muitas coisas, para consegirem escapar à impiedade Jesuíta. Em Évora ainda há, muitos vestígios da permanência dos Judeus. Eram grandes artifícies. E muito aprendemos com eles. Obrigada professôr por levantar a pontinha do véu.
    Rosa Casquinha.

    ResponderEliminar
  4. espero que o teu auditório não se escandalize e te abandone por via da jocosidade do meu comentário -
    - esgalhado na quadra que se segue
    :
    farinheiras e alheiras
    a diferença não é larga
    menos tesas as primeiras
    são alheiras sem Viagra

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A tua quadra é uma maravilha, amigo.
      Um abraço para ti.

      Eliminar
  5. Terezinha:

    Obrigado pelo seu precioso esclarecimento.

    Hernâni Matos

    ResponderEliminar
  6. Rosa:

    A Inquisição em Évora foi particularmente terrível.

    Hernãni Matos

    ResponderEliminar
  7. Platero:

    Obrigado pelo teu comentário.
    Um abraço para ti, António.

    Hernâni Matos

    ResponderEliminar
  8. Meu Caro Hernâni

    Você ia-me matando!!!!!!! Gaita, ler esta história às 13h e 30m com o estomago vazio, foi uma desgraça!!! O meu colestrol, mesmo sem comer imagine, subiu aos 350!!!
    Gostei e não sabia, mas agora com a barriga vazia é que foi o diabo!!!!

    Abração

    Pedro

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pedro:

      Como gostou, dei-lhe tempo a estar com a barriga cheia.
      Sugiro-lhe agora a leitura do post:
      A SANTA INQUISIÇÃO E O ASSADO DE BORREGO
      http://dotempodaoutrasenhora.blogspot.pt/2011/12/auto-de-fe-promovido-pela-inquisicao.html

      Um abraço.

      Eliminar
  9. Tempos sombrios para a humanidade!
    Os nossos reis também não tinham a devida personalidade, (consta-se que alguns até eram atrasados mentais) para dizerem à Igreja, alto! Quem manda aqui sou eu! À igeja não lhe bastavam as mordomias ainda por cima subjugou os reinos! Ainda hoje a Igreja tem um papel bastante indecente, veja-se últimos casos da América do Sul!

    Abraço

    Abilio

    ResponderEliminar
  10. Claro que o povo Hebreu foi perseguido em todo o local, onde havia igreja que não fosse judaica.O judaísmo foi sempre uma dor de cabeça, para muitos -mas, não para todos.Admiro-os pois do nada fazem riqueza....Já fui a Israel 6 vezes e vejo o crescimento ímpar deste povo...lá não existe analfabetismo, desemprego, pobreza, fome, impostos desumanos, falta de escolas de música, locais para desporto....não há falta de terreno para cultivo...eu sei lá !!! MAS CAUSAM INVEJA , TRABALHAM.....AS SEITAS DE OUTRAS RELIGIÕES , NÃO QUEREM PERDER " UM DOMÍNIO" PODEROSO ATRAVÉS DOS TEMPOS....o que eles fizeram aqui...a industria da prata e do ouro...as fábricas para fazerem sedas ( Trás os Montes) a indústria lanifícios- Serra da Estrela....a indústria do calçado...eu sei lá..... mas a Igreja não queria isto...queria um povo IGNORANTE, PARVO, DEMENTE, BEIJA MÃO, DECADENTE, escravo.....( ainda hoje assim o é), embora digam que não...vê-se sem lupa !!!!!

    Permita-me Prof Hernâni....continue...não altere o rácio do seu pensar!!!!



    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado pelo seu valioso comentário.
      Sugiro-lhe agora a leitura do post:
      A SANTA INQUISIÇÃO E O ASSADO DE BORREGO
      http://dotempodaoutrasenhora.blogspot.pt/2011/12/auto-de-fe-promovido-pela-inquisicao.html
      Os meus cumprimentos.

      Eliminar